Editorial

Editorial: Eu não sou máquina nem tu!

Por Abílio Raposo, diretor

Num tempo em que todos são considerados máquinas; os médicos, os padres, os futebolistas, os juízes, os árbitros. Todos, menos eu. Eu posso falhar e até mesmo erras que não faz mal.

Mas será de facto que estamos a olhar bem para quem é o outro? Será que a minha fragilidade é desculpável, mas a do outro não é e nem pode ser? É mesmo um pensamento, no mínimo mesquinho e pouco inteligente. Nós não somos máquinas e falhar é próprio do ser humano.

E como tal temos de saber reconhecer os nossos erros para poder crescer e corrigi-los. Não podemos mandar as nossas fraquezas para debaixo do tapete como se não existissem.

Artigo completo disponível na edição em papel de 28 de junho de 2018, n.º 718

 

 

Anúncios

Partilhe a sua opinião connosco

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.