Coisas de Emigrante / Sociedade

O ponto doloroso da questão

Ana ChainhoPor Ana Chainho, nos EAU

Admito que adoro festas e celebrações. Sempre adorei o Natal, o Carnaval, o meu aniversário e até a Páscoa, que na minha família só se celebrou enquanto os meus queridos avós maternos eram vivos. Não sei se não gosto tanto dos preparativos como do próprio evento.

Acho que herdei da minha mãe o gosto de ver os que estão à minha volta felizes. Deliro quando sou convidada para casamentos, batizados ou jantares com amigos. Acho que ter gente boa por perto é das melhores coisas que há e, atualmente, quando algum dos meus grupos de amigos se junta já há quase tantas crianças como adultos, o que torna tudo mais animado.

Ora aqui chegamos ao ponto doloroso da questão. Desde que emigrei já perdi o casamento de duas amigas, os babyshowers de outras duas e inúmeras festas de anos. E fico triste por saber que o meu filho também está a ser privado desse convívio tão enriquecedor.

Depois vejo as fotos no Facebook, farto-me de rir com os comentários, mas não sei as piadas que disseram no dia, não brindei com eles e não faço parte dessas memórias. E é isso que custa.

Artigo completo na edição em papel de 19 de novembro de 2015, n.º 658

Anúncios

Partilhe a sua opinião connosco

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s