Coisas de Emigrante / Sociedade

Coisas de Emigrante: Filha da (outra) nação

Susana Lage - Coisas de EmigrantePor Susana Lage, no Brasil

Nasceu uma carioca portuguesa.

Contrariando as estatísticas de 80% de partos cesariana no Brasil, consegui dar à luz de parto natural e bastante rápido a meu ver (cinco horas), apesar de ter tido o tempo todo uma equipa médica que me tentava convencer que a cirurgia era o melhor, que a bebé era grande de mais, etc.

O próximo passo, agora que rejubilávamos de alegria com mais um membro na família, era tratar da papelada para irmos a Portugal mostrar o novo rebento. Mal sabíamos que uma nova saga estava por começar…

Primeiro tivemos de fazer um agendamento na polícia federal do aeroporto internacional do Rio de Janeiro para fazer o passaporte. Pagámos uma taxa e esperámos (a módica quantia) de trinta dias para sermos atendidos.

No dia agendado é-nos dito que para fazer o passaporte temos antes de requisitar uma pesquisa social que comprove que a nossa filha é mesmo nossa e isso significava enviar um ofício para a maternidade e outro para o cartório para comprovar tal facto. Esses ofícios seguiram via e-mail e demoraram mais de 45 dias (módica quantia!) a ficarem prontos.

Finalmente três meses depois conseguimos tirar o passaporte (que, vá lá, demorou uma semana a ficar pronto) e podemos voar
para a ‘terrinha’.

Artigo completo na edição em papel de 22 de outubro de 2015, n.º 656

Mais textos da Susana Lage no blogue Vida de Zé Emigra

Anúncios

Partilhe a sua opinião connosco

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s