Economia / Opinião / Política

Opinião: O regresso do comboio fantasma

Anibal Cordeiro - OpiniãoPor Aníbal Cordeiro,

A ligação ferroviária de alta velocidade entre Sines e Badajoz é considerada, por muitos, como fundamental para o transporte de mercadorias do porto de Sines para a Europa, e para o desenvolvimento da Região e do País.

Nesta reivindicação, poder-se-á dizer que há um consenso alargado entre economistas, políticos, autarcas e restantes cidadãos, incluindo os do Alentejo Litoral, onde Grândola se inclui.

Mas este consenso quebra-se quando se trata de definir o traçado da via. Para as populações, a maioria dos autarcas do Litoral Alentejano e as associações ecologistas (e outras), o único traçado aceitável é o que passa pelas Ermidas, aproveitando o corredor existente. Este seria, tudo o indica, em termos financeiros, humanos e ambientais, o que menor impacto negativo iria provocar.

Mas o que se afigura evidente para o cidadão comum, não o é para alguns “iluminados” políticos e tecnocratas. Não é que, no bestunto desta gente, brilhou a ideia de rasgarem uma via Sines-Relvas Verdes-Melides-Grândola Norte (com cerca de 40 Km de comprimento e 400 m de largura)?

Em vez de seguirem a via existente, Sines Ermidas, que bastará adaptar às exigências das novas composições, não é que desejam estraçalhar uma paisagem preservada com perto de 150 mil hectares?

Artigo completo na edição em papel de 24 de setembro de 2015, n.º 654

Anúncios

Partilhe a sua opinião connosco

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s