Economia / Opinião / Sociedade

“Nós não temos crises, nós temos iniciações”

Opinião - Filomena PinelaPor Filomena Pinela

Hoje quero escrever sobre o sofrimento humano.

Gosto de pessoas! Sempre me apaixonei por atividades que revelam a essência da natureza humana.

Há quem se interesse pelo funcionamento do corpo humano, eu gosto de dissecar almas e de intervir resolvendo dramas e litígios é essa a minha adrenalina, que é própria do meu ofício.

Nesta altura, em Portugal, sofre-se muito preocupo-me especialmente com aqueles que têm crianças a cargo e com os mais frágeis e isolados.

Aprendi que a melhor forma de ajudar é dar trabalho, e é essa a capacidade que mais me esforço por desenvolver.

Num momento em que o sistema bancário já foi mais sólido acredito que investir o que for possível, com sabedoria, dando trabalho a quem dele necessita é não só um bom conselho económico; mas o cumprir de uma responsabilidade social de servir quem está mais próximo.

José Tolentino de Mendonça no seu livro “Pai Nosso que estais na Terra” diz que a escritora Christiane Singer relata uma explicação curiosa que um antropólogo, seu amigo, lhe disse haver escutado a um arborígene  “Não senhor, nós não temos crises, nós temos iniciações.

De cada vez que tudo se desmorona ou que um desgosto se abate sobre nós é necessário reconstruir-nos e reinventar-nos.

O artigo completo na edição em papel de 05 de Setembro de 2014, n.º 630

Partilhe a sua opinião connosco

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.