Sociedade

Cercal do Alentejo sem médico de família

Médicos - Saúde

A extensão de Saúde de Cercal do Alentejo está sem médico há dois meses. Os doentes desesperam por uma consulta.

A situação não é nova e repete-se por todo o país, muito em parte devido à carência de médicos, sobretudo no interior e zonas afastadas dos grandes centros urbanos. Lidar com esta situação não é fácil, que o digam os cerca de 3600 habitantes da freguesia de Cercal do Alentejo, Santiago do Cacém, que há cerca de dois meses ficaram sem médico e, consequentemente, sem acesso a consultas.

“Há pessoas com doenças crónicas sem acompanhamento”, queixa-se uma utente que não quis ser identificada. “Estamos sem médico, depois do cubano que aqui estava se ter ausentado. Não regressou, penso que por motivos burocráticos, e agora a população ficou sem um acompanhamento”, lamenta.

Quem compreende os lamentos da população é o presidente da Junta de Freguesia, António Albino que tem de responder às queixas dos habitantes com que se cruza diariamente. “Penso que o médico cubano rompeu o acordo com o Estado português, saiu desse programa e ficámos sem médico. As pessoas tiveram de recorrer ao Hospital do Litoral Alentejano e as receitas demoravam sempre uma semana. É muito complicado uma vez que não temos resposta em relação ao regresso do médico”, confirmou o autarca.

O artigo completo na edição em papel de 20 de Julho de 2014, n.º 628

Partilhe a sua opinião connosco

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.